Início » O potencial dos Campos de Treino

O potencial dos Campos de Treino

by Miguel F.S.

Com cães de parar

Os Campos de Treino permitem-nos manter os nossos cães em atividade durante todo o ano, além de outras atividades de caráter venatório, como as largadas. E este ano, a interrupção da época de caça devido à pandemia COVID-19 certamente levará mais caçadores aos Campos de Treino assim que as limitações à circulação forem levantadas, sendo que a maioria deles o vai fazer acompanhado dos seus cães de caça na modalidade de salto. Mas existem alguns cuidados a ter, para não tornar – para os cães – esta atividade em algo traumático.

O pior que se pode fazer num Campo de Treino é aquilo que a maioria dos caçadores habitualmente faz. E isso é simplesmente porque confunde este tipo de atividade com uma jornada de caça, onde se procura cobrar caça. Muitos ficam contentes porque conseguiram cumprir o “pack” de peças contratadas, associando isso a uma boa prestação dos seus cães e, acima de tudo, ao seu desempenho pessoal como atirador.

Claro que um Campo de Treino também é um local onde podemos ir com o nosso grupo de amigos e passar uma manhã bem divertida e um bom almoço no final (logo que seja permitido). Mas isso não obriga a andar desenfreado a “apanhar” toda a caça solta, quase em competição.

Vamos então ver algumas recomendações para desfrutarmos dos nossos cães de parar, que sendo seguidas podem fazer toda a diferença.

Dividir os nossos cães

É um erro colocar no terreno todos os cães em simultâneo, inclusive agora, quando estão sem ver caça à muitas semanas. Se temos vários cães não temos outro remédio do que repartir as saídas ao Campo de Treino. O ideal será nunca juntar mais de dois exemplares, até por que será assim que iremos fazer nas verdadeiras jornadas de caça.

Também não devemos cair no erro de levar no reboque “toda a equipa” e deixar parte dos cães fechado enquanto caçamos mesmo ali ao lado. Pode parecer um disparate, mas facilmente verificamos que os cães vão ficar num estado de excitação elevado, com os tiros e movimento em seu redor sem poder sair. Se tivermos a sorte de termo um Campo de Treino relativamente próximo do nosso domicílio, o melhor será deixar parte da “equipa” e levar apenas o par que vamos treinar. Porque é disso que se trata, permitir aos cães treinar. Se a deslocação for longa, devemos ter o cuidado de deixar o carro suficientemente afastado do local da ação. Da nossa e de outros caçadores que possam frequentar o mesmo espaço.

Novo foco

Há que mudar completamente o nosso objetivo comparativamente a uma normal jornada de caça, com espécies selvagens ou perfeitamente adaptadas ao campo. No Campo de Treino o cão manda – devia se sempre assim – e o nosso comportamento será ficar dependente das ações do cão.

Outra prática muito comum é formar “linha” para caçar, mais uma vez, como num normal dia de caça. Trata-se de um ato venatório respeitável – caçar em grupo – mas que aqui não tem qualquer sentido prático e não soma nada de positivo ao trabalho e treino dos nossos cães.

O ideal até seria ficarmos em apoio total aos nossos cães e encarregar um amigo do uso da espingarda, assim poderemos assistir melhor a um cobro, por exemplo. Depois trocamos de posição com esse nosso amigo, fazendo de atirador no momento do treino dos seus cães.

Rotinas

É difícil quebrar as rotinas de um dia de caça, mas vamos pensar bem… Se o calor não for um problema, faz sentido ter de iniciar a jornada no Campo de Treino ao raiar do dia? E começar sempre do mesmo local, para dar sempre a mesma volta? Claro que não!

Um dia passado no Campo de Treino será muito mais agradável quando não obriga a um maior esforço. Vamos fazer tudo com calma, com tempo e com o objetivo claro de treinar e dar atividade aos nossos cães, e também passarmos bons momentos desfrutando de lances que, muitas vezes, podem ser magníficos.

Leave a Comment